100MIL RECEPTORES PIRATAS DESTRUIDOS PELA RECEITA FEDERAL O QUE MUDOU?

100MIL RECEPTORES PIRATAS DESTRUIDOS PELA RECEITA FEDERAL… E O QUE ADIANTOU?

Na semana passada publicamos aqui a nossa postagem Receita Federal destrói 100 mil Receptores de TV Pirata e estamos publicando este artigo do gpspesquisa para discussão.

 

O site Tecnoblog pubicou uma matéria, muito provavelmente em parceria com a ABTA (Associação Brasileira da TV por Assinatura), dando conta de que entre 2017 e 2018, a Receita Federal apreendeu na fronteira Brasil/Paraguai, e destruiu, cerca de 100 mil receptores de tv pirata.

A matéria, entitulada Receita Federal destruiu 100 mil decodificadores piratas desde 2017, é confusa, cita números de apreensões desde 2015, com 30 mil apreensões, e então 2017 e 2018 com 50 mil apreensões por ano.

A ação, é comemorada como uma forma de “causar prejuízo” aos importadores de receptores piratas, diante de grandes prejuízos que estes causam à indústria da tv por assinatura legal no Brasil. As estimativas, de prejuízos para ambos os lados, são, como sempre, bastante superfaturadas e não servem para medir a real dimensão do problema.

 

A ABTA insiste que um receptor pirata a menos no mercado brasileiro significa um assinante a mais de operadora de TV paga, isso na prática não se transforma em  realidade, por muitos fatores, entre os quais, há muitos assinantes de pacotes básicos da tv paga que também pirateiam, além dos que pirateiam e nunca seria assinantes.

A ABTA também insiste no erro de dizer ligar o combate aos aparelhos (tv nox e receptores) como uma forma efetiva de acabar com a pirataria da tv por assinatura, quando hoje vemos que, com o advento dos servidores IPTV, até as Smart TVs já viraram receptor de tv pirata, bastando instalar o aplicativo correto nelas e configurar.

Ou seja, a Receita Federal e a ABTA estão secando gelo e comemorando como sendo um grande feito.

Não é desta vez ainda que conseguiram uma ação verdadeiramente efetiva contra a tv pirata no Brasil.

Bemvindo! Curta nossa página do Facebook

 

Compartilhe! Like please!



Ver. 1.3
 

Relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *